segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

De 1957 a 2016 - ufaaa!!!

Começo a escrever sem fazer qualquer ideia do que irá surgir.
Hoje estou especialmente vazia, ah! Já sei ... está chegando o final do ano, estamos vivendo os últimos dias deste que foi um ano de muitas mudanças físicas, de mudanças internas profundas, de concretização de projetos inundados de dúvidas e falta de consistência, mas que habitavam meu mundo mental alimentado diariamente por condições torturantes de falta de sentido e motivação pela minha própria vida...
Passando, passado, passou...
E eis que a minha vida ganhou sentido, o meu corpo correspondeu a todas as minhas expectativas e investimentos de décadas de construção de mim mesma.
 Tudo simples demais, porque eu estava aqui, prontinha pra viver, ... mas andei passeando demais por outras pessoas, em modelos e exemplos que não me serviam,... não se pode corromper a natureza, ela sempre dá um jeito de se manifestar e sobressai heroicamente.
Gosto disso, porque a gente não nasce em um lugar favorável ao comodismo, precisamos dar conta de ser o que somos, ou de inventar alguma coisa pra sobreviver.
Esse adiamento que causa postergação na manifestação do que podemos e viemos de uma forma muito mística fazer por aqui pra acrescentar no mundo e o mundo.
Sim, porque o acaso não existe mesmo, ... não podemos acreditar que somos pensados de maneira errada, a gente vai é desrespeitando a nossa natureza, corrompendo nosso projeto de vida, nosso processo de crescimento com ilusões e sonhos de quem nos atropela e não nos estima.
Numa desculpa feia de que são aprendizados necessários, ... de jeito nenhum!!!
Eles são armadilhas perigosas e desvirtuadoras do nosso tempo e da nossa linda passagem.
E assim vamos perdendo tempo, jogando a nossa existência fora, ... quando conseguimos abrir os olhos para essas coisas todas que somamos e atribuimos como sendo nossa saga e nosso legado ...
Mas enfim, essa contagem que nos concede mais tempo e nos toma tempo de vida e de ter qualquer chance de fazer tudo que queremos com a consistência que exigimos de uma maturidade forjada pelo sofrimento que embota nosso crescimento e aprendizado, que nos minimaliza e reduz a qualquer invento monitorado por energias que nada têm de bom, justo e generoso!!!
Protesto mesmo hoje porque sei que se escrevemos uma vida leve, um tempo cheio de graça e encantamento podemos nos encontrar com muito mais rapidez em realizações que nos conduzem a alegria, felicidade e contentamento!!!
Enriquecemos o nosso passar desfilando muito mais bonita e corajosa e porque não dizer poderosa!!!
Porque acredito que estamos aqui para isso, somos mesmo e de verdade é feitos para sermos o que quisermos e o melhor é o que queremos ser sem medo de errar...

Fiquem bem, cuidem-se bem...
 Livia
Leão

terça-feira, 27 de setembro de 2016

PARA O MEU AMOR QUE É QUERIDO ...

E eis que a vida nos devolve coisas, memórias, pessoas ... 
E eis que o velho se tornou novo e nos confundiu!!!
Mas eis também que nós ficamos assim não intimidados, mas cheios de dedos, cautelas, cuidados ...
Bom comportamento e falas sinceras que nos traduzem e nos colocam em posições que dão alegria, que nos concede intimidade que velada, pode ser que seja declarada.
O amor , ... o amor e o amor...
que se repete, que volta, que vai e vem, ... 
retornando em novidades iguais em amadurecimentos!!!
Amadurecimentos que nos envaidece, que causa imensa curiosidade, que dá vontade de abraçar o corpo, a estória e o caminho percorrido sem programar, sem planejar...
Não foi o tempo quem voltou, não fomos nós que retornamos, foram duas pessoas diferentes em iguais movimentos e buscas inquietantes de se espelhar...
Liberdade
Curiosidade
Necessidade
de se encontrar...
Somos almas iguais
e não gêmeas!!!
Somos macho e somos fêmea!!!
Em delicadezas emocionais
Em possibilidades cativantes em construir qualquer coisa que nos ofereça tempo proximidade
quem sabe até ...
intimidade!!!
Podemos renovar nossos votos,
podemos ...
Mas não sabemos se sabemos.
Não sabemos se podemos,
Mas sabemos que não dá
pra fugir,
pra fingir,
pra abstrair.
Vamos ficar perto
Vamos nos posicionar como sabemos que funcionamos bem, ...
Vamos morar assim sempre
um no outro confortavelmente.
As dores, os encontros, todos os aspectos que já conhecemos
que se modificam hora, tempo, espaço...
sem nos distanciar.
Feito um amor verdadeiro, sabe como?
Como um ir e vir de quem não sabe se perder...
De quem não consegue se achar.
Quero o amor que me cabe nessa vida...
Quero amar o que me sobra pra viver.
Quero me identificar e quero identifica-lo
Quero cobri-lo de cuidados e carinhos guardados em tempos que pareciam não acabar e chegar.
Chegar a hora de nos encontrar.
 a hora de nos entregar...
 a hora de 
qualquer coisa
e uma única entre muitas que podemos inventar.
Beijo e brindo a proximidade
Brindo a chegada do velho novo amor...
Do velho novo encontro
do velho e novo pousar
sem pensar em pausar
o que começou...

Livia Leão


domingo, 18 de setembro de 2016

SOBRE TODAS AS COISAS E NENHUMA DELAS EM ESPECIAL!!! ...



Falando assim como quem tem uma certeza absoluta o mundo é muito rico em tudo que a gente pode imaginar.
Podemos dele desfrutar como quisermos.
 Se temos um mínimo de sabedoria, se conseguimos saber o mínimo de nós mesmos nos sairemos bem diante da vida que vamos escolhendo momento a momento.
Tenho medos como qualquer criatura humana que habita o planeta, mas ao longo dos meus dias traduzidos em 59anos fui ganhando um certo jeito de pensa-la; de driblar as minhas fragilidades, de encontrar forças em mim mesma, de não apenas saber quem eu sou agora, mas também de quem quero ir me tornando enquanto passeio por aqui.
Lido simplesmente muito mal com a morte, não a minha, mas a das pessoas... e isso se estende não apenas às que penso conhecer, mas a todas as pessoas que sei que morreram, que os seus corpos estão sendo enterrados ou cremados, que enquanto isso acontece no plano físico/material, outras muitas pessoas especulam, inferem,  sobre a vida após o fim ... o encerramento da vida com essas características, com essa identidade, com esse CPF, com essa história escrita,, vivida, pontuada com a morte!!!...
Levo sustos homéricos, me encolho em um canto do pensamento e do sentimento não apenas em relação a pessoa, mas ao acontecimento.
A proximidade da morte nos coloca em xeque porque é uma certeza pragmática da finitude inesperada, ... corremos sempre atrás de nos eternizarmos através do trabalho, dos filhos, das obras sejam elas quais forem.
Somos demasiadamente frágeis assim como imaginativos, ... criamos inúmeras fugas, fabricamos muitas estradas pra nos conformar da perda, do macabro ritual de nos desfazermos do corpo biológico de alguém, ... sufocamos a nossa dor em conformismo produzidos pelos espertos seres criativos e destemidos que inventam mundinhos onde pra lá se pode ir, dependendo do nosso comportamento.
Eu, Livia estou em ruínas,.. Elas a vida e a morte estão me colocando em lugar dentro de mim onde não há confiança e muito menos segurança!!!
 Elas estão me fazendo pensar, pensar e pensar sobre o que pensar sobre elas...
O que dizer e o que sentir, ... como enganar meu cérebro, como posso organizar meus pensamentos numa tentativa vã de convencer-me ou conformar-me em como posso sufocar meus sentimentos, enfim!!!
E ela, a vida também me faz temer, ... as nossas escolhas, a nossa repetição secular, a nossa cognição falha e pobre em convicções e rica em explicações e reflexões fajutas.
Nem um pouco convicta, nem um pouco feliz, nem um pouco contente!!!
Uma enorme guerra está acontecendo no meu cérebro, na minha mente, na minha alma... um passeio místico esquisofrenizado que pragmatiza tudo que o meu parco espírito alcança.
Parece que as doenças do esquecimento são uma estratégia benigna para aquelas pessoas que as desenvolve.
O refúgio daquilo que não se quer mais pensar,
 sentir, passear pelos tempos coexistentes.
O despertar diário, o noticiário, as informações, os acontecimentos, os fatos, as mentiras, as fofocas, tudo se confunde, se mistura e o dia toma um formato desencantador...
O que morre, o que atropela, o que se atropela, o que se mata, o que se esconde, o que se expõe, ... o que se supera, o que supera, o que incorpora Alices e Belas Adormecidas!!!
Cinderelas e Super-homens, ... Homens de ferro!!! Homens-Aranha, 
Matrix!!! Sim,  matrix!!! ...
Espaços onde podemos ser e dominar, onde podemos exercitar todos os nossos poderes, onde podemos ser imortais e multiplicados, multi-implicados nas escolhas que fazemos...
A inquietação angustiante do pensante primordial...
A saudade que inventamos de tudo que fomentamos em tempos que não se cansam de entrelaçarem-se e que ao mesmo tempo nada têm de novo, de atual, de cabível!!! ...
Inventamos carências e ausências, inventamos e ficamos cansados de inventar...
Porque a realidade vista, enxergada, é pesadelica!!! Totalmente pesadelica.
E quando acontece um sonho de liberdade e de comédia romântica somos alertados e acordados pelos que fazem plantão vinte e quatro horas no mundo macabro dos horrores que nos cercam...
Doente, o Homem, nós Homens, nos induzimos, nos conduzimos ao inferno com nossos próprios pés, com a nossa própria mente, fazendo pleno uso da nossa liberdade de fugir e de fuga!!! ...
O cérebro livre é uma armadilha perigosa, ... o Homem procura nas drogas sintéticas, nas substâncias que os leva a um lugar onde qualquer coisa se aquieta porque a realidade que é utopia assusta, amedronta, ... e nós nascemos castigados pelas memórias genéticas, pelos ditos "populares", pelo atavismo que é lugar comum a todos nós...
Salve, salve a ignorância do não saber ... salve, salve o cérebro masculino testosterônico que tem um espaço vazio onde ele pode ir sempre e o tempo todo... os escondidos, os refugiados, os alienados, os drogados, os que fazem carinha de susto e de quem se surpreendeu quando algo aconteceu mas que na verdade  não foi "atingido",  não foi "golpeado" porque está na matrix da ignorância e da indiferença quase psicopática!!! ...
Depois eu conto o resto ...
ou não!!!
O que se passa comigo? ... O que passa por mim,
O que acontece em mim ... hummmm
Quem sabe sobrevivo se falar por aqui for a saída!!!
Salvemo-nos nós cada um por si
e um Deus por todos!!!
Será???
Fiquem bem, cuidem-se bem ...
Livia Leão

ORAR, ORAÇÃO, ORAÇÕES!!! ...

Todas as formas de oração são perfeitos apelos em nos alinharmos com o que queremos, com o que se sente, com o que buscamos dentro de nós...