terça-feira, 25 de maio de 2010

DIÁRIO DE BORDO - Deu branco!!! Está dando, aliás...



Está acontecendo algo peculiar, quando estou fazendo qualquer outra coisa as idéias surgem aos montes, os assuntos a serem falados por aqui aparecem que é uma beleza... enquanto que quando sento em frente ao computador... cadê?
"Varreu-se-me" tudo da memória!!!
Eu não posso dizer o quanto isso é bom ou ruim, só sei que tenho achado esse acontecimento interessante.
Está havendo um bloqueio no cérebro, um freio para reflexões, enfim, qualquer coisa que a qualquer momento vou alcançar!
Mas as coisas estão acontecendo, a vida está maravilhosamente boa, obrigada!!!
Ah! Talvez seja isso...
Estou leve e especialmente tranquila, em paz.
A dez dias atrás, lavando a louça do café comecei a pensar em um tio... tio Luis.
Tio Luis era um sujeito impar, tosco toda vida e ao mesmo tempo de grande sensibilidade. Tudo nele era mal trabalhado. A leitura que fazia da vida era confusa e perturbadora.
Por conta da nossa convivência e de todas as coisas que aconteciam mantinhamos contato com ele. Considerava a presença dele alguma garantia de segurança e manutenção de algo que ainda não consegui identificar.
 E acho até que a essa altura do campeonato é melhor não ficar investigando demais, para não sofrer decepções e chegar a conclusões que possam comprometer sua imagem fantasiada por estar criança... naquela época, claro!
O sentimento que construi por ele foi um sentimento regado a necessidade de ter alguém a quem pudesse atribuir amor, necessidade de amar.
Hoje compreendo um pouco o que era... considero a infância, aquele momento também em que crescemos e estamos buscando, procurando identificações, exemplos, refúgios, confiança, segurança, apoio... mas sempre fiquei na pista em relação a essas coisas porque "seu ninga" me patrocinou isso.
Quando muito eu conseguia inventar algo para atribuir aos adultos qualquer coisa que os justificassem em minha existência.
Sempre me vi sozinha, me senti sozinha, fora do contexto... bicho grilo total.
Era inadequada, e me cobrava demais o fato de ser absurdamente diferente.
Aliás, até hoje sou assim, só que com consciência e uma segurança e confiança conquistada a duras penas, com um esforço enorme para compreender e concluir que é do humano mesmo.
Tentei em minha reflexão pensar as coisas que experienciamos juntos com enorme boa vontade. Procurei atribuir qualquer coisa positiva e não rolou...
Todas as suas manifestações trazidas para o presente através da memória e da recordação me fizeram sentir uma melancolia incomodante... que na mesma hora tentei afastar, deixar onde está.
E não por medo de encarar os sentimentos e sensações, mas porque para que desenterrar os mortos?
Acho que com enorme boa vontade ele tentou nos acolher e cuidar de nós. Que dentro dos seus parcos conhecimentos e limites foi uma  presença.
Pode ser também que eu seja uma pessoa que não consigo hoje adicionar sentimentalidades onde não existe. Que não consigo mesmo inventar "afetos" ou ser afetada por um tempo e pessoas que já não estão aqui, por coisas que não me dizem respeito... e por aí vai...
O pensamento voltado para ele foi em função de ter por alguma razão perguntado a minha mãe o dia que seria aniversário dele porque até então não sabia e coincidentemente foi no dia 15/05... exatamente quando fiz a pergunta e estava com todas essas questões em aberto... invasão mente/espírito!!!
Acontece comigo quase sempre... e a vida continua e como as coisas se modificam, assumem formas e jeitos que não sabemos e que não reconhecemos, os nossos canais alcançam modelos de relacionamentos recheados de carências e recordações para nos mantermos e nos conectarmos!!!
Em um tempo que já não há e não dá para remendar...

Livia Leão





segunda-feira, 17 de maio de 2010

DIÁRIO DE BORDO - Comentário infeliz!!! De outro alguém, claro!



Existem muitas coisas patéticas no comportamento masculino, mas uma das que considero terrível é exatamente  falar pejorativamente de quem se relacionou ou se relaciona. 
 Um comportamento feio que denota dor de cotovelo ou inveja.
Quase sempre são pessoas com as quais tiveram filhos, ou seja pertuaram a "sua espécie" com elas... (que coisa, hein!!!?)...
E que pensando estar "numa boa" ou numa melhor que "elas" consideram-se superiores... que peninha!!!
É feio por demais da conta!!!
E quando o homem fala que é ovô, mas não precisa dormir com a avó?
E homem que chama mulher de "dona encrenca", "patroa"?

É A TREVA!!!

 Quando nos reportamos a alguém com quem já vivemos uma história de amor precisamos pensar nela como sendo alguém que está  em nosso currículo vitae, que se construiu qualquer coisa com ela em nosso caminho, que o presente é exatamente aquilo que quisemos fazer dela (pessoa, claro!) em nossa vida.
Tudo foi bom em um determinado momento... o sexo, a sintonia, o interesse em construir juntos algo materialmente falando, etc, etc, etc... então é feio e broxante esse discurso desagradável...

NEM PENSEM QUE É BONITO SER FEIO!!!

A elegância é tudo de bom... E a delicadeza faz com que nasça no outro um desejo genuíno de estar junto, de sair, de conhecer e fazer parte do seu universo momentaneamente... que fique bem claro!!!
 Porque tudo é passageiro... 
Falo nos homens porque sou heterosexual, mas isso cabe em qualquer pessoa de qualquer sexo e preferência sexual...
Acho que precisamos aprender a sair dos relacionamentos com a mesma elegância que começamos... que tal não é uma boa idéia?
E se não somos suficientemente civilizados que tal não falar na pessoa?
É bem mais recomendado, principalmente se está querendo "conquistar" alguém... eu sou uma pessoa que  penso sempre que se faz com outra faz comigo também, óbvio!!!
E normalmente são homens feios, sem graça, sem atrativos, pouco inteligente (claro!), que fazem esse papelão!!!
Fica difícil, vamos combinar...
 Asta la vista baby!!!

Livia Leão 

 

sexta-feira, 14 de maio de 2010

DIÁRIO DE BORDO - Reconhecendo uma vida feliz!!!




Já estava deitada, quando de repente comecei a pensar em quanta coisa linda posso desfrutar e que sou profundamente grata. Coisas que fazem parte da minha rotina e que me fazem bem e que faço bem.
Acho ou melhor tenho certeza que perdi totalmente o medo de me expor.
O que acontece comigo por ser assim, como sou... e que a cada dia descubro que é maravilhoso...
. Sair de casa e olhar para o céu; desde criança que sou apaixonada pelo céu, pelas nuvens,
. Ouvir música, boa música... lindas músicas, claro!
. Arrumar a casa, limpar, organizar,
. Roupa de cama bonita, limpa e cheirosa, hummmmmmmmmmmmm
. Cuidar das pessoas que eu amo,
. Fazer declaração de amor rasgada, daquelas que deixa a pessoa sem graça... sabe como?
ahahahahah!
. Entrar no Hortifruti e escolher legumes, verduras, frutas, etc...  Adoro a organização de tudo ali... a diversidade de cores, todos os produtos arrumados para causar encantamento; hummmm bom demais! O efeito em mim é positivo por demais.
. Dinheiro
. Liberdade
. Escrever... escrever é o que mais me dá prazer... ainda que não seja uma "escritora"
. Conversar
. Rir vendo televisão e falando muita bobagem...
. Ler bons livros... e bons livros para mim são aqueles que versam sobre assuntos que me interessam, que me acrescentam e diminuem minhas angustias de humana e aquietam minha alma.
. Silêncio
. Paz
. Simplicidade
. Fazer comidinha gostosa para pessoas que eu amo
. Casa com pouca informação e com energia boa
. Transitar pelo mundo de vez em quando me misturando com as pessoas e suas energias diversas...
. Cuidar de pessoas que realmente querem ser cuidadas
. Elegância
. Delicadeza
. Gentileza
. Sinceridade
. Andar de metrô lendo um bom livro
. Caminhar... caminhar e caminhar
. Meu corpo leve e harmonioso
. Coca-cola
. Cerveja sem alcool
. Cortar cabelo
. Tomar banho
. Cheirinho de bebê
. Alfazema da Garrão
. Conforto
. Praticidade
. Objetividade
. Calçados confortáveis
. Roupas confortáveis
. Fazer o que gosto na hora que quero
. Prazer, muito prazer
. Produtos de limpeza de casa
. Meditar enquanto faço comida
. Dançar enquanto arrumo a casa
. Receber pessoas
. Chorar
. Me emocionar com coisas que valem a pena
. Me apaixonar por homens que valem a pena
. Amar, simplesmente amar
. Pensar
. Cuidar do João
. Estar atenta às pessoas que me dizem respeito
. Me distanciar de vez em sempre para sentir saudade... ahahahahah!!!
. Fazer compras em papelaria
. Comprar presentes úteis para pessoas que amo
. Estar atenta às pessoas que me cercam
. Cantar!!!
. Beijar...
. Abraçar
. Meditar
. Ficar sentada na cama simplesmente ouvindo música e lendo e escrevendo e vendo o tempo passar... bom demais!!!
. Pessoas que me fazem ficar de bom humor
. Pessoas inteligentes
. Bons filmes - românticos, claro!!!
. Televisão
. Casseta e Planeta Urgente!!!
. Meu trabalho
. Montanhas
. Mares
. Estradas...
. Paisagens enfim que não podem ser jamais banalisadas por serem vistas todos os dias...
. Fazer DAYMOKU
. Cheirinho de café de manhã
. Suco verde
. Conhecer pessoas
. Viajar...
. Semente de linhaça
. Viajar principalmente na maionese... ahahahahah!!!
Tenho certeza que viveria sem tudo isso, mas que viver com tudo isso é bom para caramba, ah isso é... vamos combinar! 
E tem mais, a dinâmica da vida nos patrocina tanta coisa que fica difícil  dizer todas as coisas que vamos experimentando e experienciando. 
Considero o reconhecimento do que é mais simples como poder ouvir, cheirar, tocar, ver... andar... sem sentir dor! uau é muita raça de milagre... a todo segundo, a própria felicidade.
Estar com o nosso laboratório fisico-químico em dia então é o nirvana... porque só assim conseguimos fazer esse reconhecimento.
 A vida com todas as suas cores, naturalmente perfeita como todos nós merecemos.
Precisamos encontrar nosso jeitinho... e esse é o grande barato de estar viva em uma dimensão de tantas coisas para dar conta... ou não!!! 
A seleção somos nós quem fazemos... 
Asta la vista... 

Livia Leão


DIÁRIO DE BORDO - Caminhando e pensando!!!

Considero hoje aos cinquenta e dois anos que na nossa prática de vida nos ocupamos mais com o "carma" principalmente aqueles causados em existências passadas (como se fosse possível ficar "devendo" de uma existência para outra!!!), do que com nosso "dharma" que é o sentido da VIDA; 
Por conta dessa des-orientação deixamos de aproveitar, usufruir, desfrutar do nosso presente com tudo que está em nossa existência momentânea.
Pensar sobre isso é acordar com a VIDA aqui e agora.
É confiar na simultaneidade e coexistência dos tempos.
As nossas ações (carma) podem ser transformadoras em tempos inimagináveis e libertadora em estados de consciência.

Livia Leão

 

DIÁRIO DE BORDO - NÓS, as LEÕES!!!





Domingo, pegando uma carona no dia comercial das mães, nos encontramos na casa da mamãe, claro!!!
E eu fiquei sentada no chão prestando atenção em nós todas Fátima, Glacy, Ana Maria e Marcia!!! 
Mulheres do balacubaco... cheias de força, contundentes, inteligentes, barulhentas, admiráveis pessoas nascidas do bem e para o bem.
Cérebros que funcionam vinte quatro horas... seres pensantes, lindos seres pensantes que fazem a diferença no mundo e no universo feminino de todos os tempos e o tempo todo.
Modificando, transformando, crescendo, amadurecendo... cada uma no seu tempo, rítmo e necessidade de conhecer de buscar, de encontrar, de construir colocando a própria digital.
Somos muito parecidas com a natureza do nosso pai, claro!
Mulheres são parecidas com o pai... no temperamento. 
Tem alguma coisa ne genética que favorece, que possibilita esse fenômeno/acontecimento!
ahahahahahah!!!
Luz, muita luz... 
Uma sede de viver e de dizer muito interessante... sensibilidade a flor da pele... discursos inflamados de idéias e reflexões inteligentes e de grande poder transformador.
Mulheres fazedoras de todas as coisas, que dão conta de todas as coisas.
Que são humanas e pessoas competentes em seus ofícios... que cumprem muito bem seus papéis no imenso quebra-cabeças que é a vida manifesta.
Que dão conta de si mesmas!
Olha que coisa mais linda!!!
Porque querem se conhecer... e isso dá trabalho gente!
Lindas; gosto de ficar olhando o movimento delas em si mesmas.
Nós sabemos bem o quanto nos custou e custa sermos quem somos, "sobre-viver" a todos os nossos desafios pessoais e do grupo (que não é pequeno!!!).
E vamos nós... assim como quem não quer nada fazendo todas as coisas precisas.
E tudo tem dado certo... com certeza!

"A GENTE AS VÊZES SENTE, SOFRE, DANÇA, SEM QUERER DANÇAR...
NA NOSSA FESTA VALE TUDO,
VALE SER ALGUÉM COMO EU
COMO VOCÊS..."

Nelson Mota


Beijos irmãs, asta la vista!!!


Livia Leão


quinta-feira, 6 de maio de 2010

DIÁRIO DE BORDO - Ainda Guilherme Aranteando!!!




"CUIDE-SE BEM
PERIGOS HÁ POR TODA PARTE...
PRA NUNCA PERDER  ESSE RISO LARGO
E ESSA SIMPATIA ESTAMPADA NO ROSTO..."

Guilherme Arantes

DIÁRIO DE BORDO - Guilherme Arantes...




De mim para mim!!!
Adoro essa letra de grande luz...
Luz do pensamento!!!

"Pra quê ficar juntando os pedacinhos
do amor que já acabou.
Nada vai colar.
Nada vai trazer de volta a beleza cristalina do começo.
E os remendos pegam mal
Logo vão quebrar.
Afinal a gente sofre de teimoso
quando esquece do prazer...
Pra quê tornar as coisas tão sombrias
na hora de partir.
por que não se abrir?
Se o que vale é o sentimento
e não palavras.
Quase sempre traiçoeiras
E é bobeira se enganar.
Melhor nem tentar...
Afinal a gente sofre de teimoso
e é bobeira se enganar.
Adeus também foi feito pra se dizer..."

Guilherme Arantes



DIÁRIO DE BORDO - Praticando os quatro compromissos!!!




Nada é mais interessante e simples que praticar "OS QUATRO COMPROMISSOS" ... livro de Don Miguel Ruiz, um nagual da linha dos Toltecas...
Libertador!!!
Possível!!!
Lindo... elucidador!!!

Livia Leão




DIÁRIO DE BORDO - Algumas coisas que precisamos pensar e muito...




Sinto um desconforto com rótulos. 
Considero  limitador e mesquinho.
O Universo do humano jamais pode ser delimitado pelo outro. 
Só nós, cada um de nós deve, se quizer, limitar, delimitar o nosso universo. 
Seja fora ou dentro de nós.
As nossas curiosidades, as nossas vontades, o que nos desperta precisa ser desvendado por nós com muito carinho, com consciência e um silêncio que pode nos amedrontar, mas que se faz necessário conhecer, penetrar... porque nasce um sentimento de amor lindo gerado de uma relação de muito prazer com tudo que somos. 
Precisamos nos tratar com muito carinho, dispensar muita gentileza e delicadeza com o que somos.
Toda paciência e cuidado, bem como condescendência porque o paraíso descoberto em nós pode nos salvar de 
um mundo de possibilidades adoecedoras. 
Sim! Porque nossas emoções são nossas armadilhas para todas as indústrias.
Nos enfeiamos para satisfazer os rótulos, para cumprir os ditos e fazer uso de tudo que é fabricado para nos fazer pensar que somos consumidos.
Correspondendo às mais cruéis de todas as possibilidades.
O respeito e consideração podem evitar inimagináveis atritos e confusões e fazer construir lindos relacionamentos, ainda que esporádicos.
Observo o mundo que é praticamente feito de dizeres que não correspondem, de invasões que vão além do leviano, gerando muita descordia e intrigas feias e causadoras de enormes des-entendimentos que podem ser evitados com certeza.
Mas as nossas "pequenices" nos fazem viajar em movimentos que são terríveis e ameaçadores das nossas próprias vidas, porque não há nada que possamos fazer contra alguém que não seja nós mesmos.
Qualquer rótulo que queiramos "colar" em alguém simplesmente só vai denotar que somos nós quem estamos sentindo ou pensando igual... é difícil assumir isso porque estamos "condicionados" a olhar o outro sempre, mas o outro é o nosso espelho, por mais que a gente rejeite essa idéia, por mais que a gente queira se anistiar não dá mesmo.
Ufa!!! Como é bom e complicado o processo de amadurecimento e de crescimento, que nos permite olhar todas as coisas e pessoas e as deixar onde está, sem querer que sejam e funcionem como nós.
Quando escrevo algo e deixo para concluir depois, sempre fujo de alguma forma do assunto e também perco a energia do momento em que a idéia veio de presente no meu cérebro!!!
Mas sei que dizer dos rótulos é algo pra mim importa e que cumprir os rótulos é algo que não pratico.
Se somos conscientes do que somos eles não colam e não nos afetam...


Livia Leão






DIÁRIO DE BORDO - A tal da FELICIDADE!!!





                                                                                                                     
Tão simples e tão carregada de exigências, criadas para justamente impossibilitar.
E vem de novo aquela tal jogada daqueles que detém a informação e aqueles que de maneira egoísta se encarregam de disseminar todas as máximas que fazem de nós Homens seres escravos de muitas coisas que não necessitamos, que colocamos em patamares em nossas existências que não poderiam estar... mas que é conveniente, porque como já diziam os antigos “o mundo é dos espertos”...
Os cientistas têm nos dito que precisamos produzir substâncias através  de  nossas glândulas e órgãos (cérebro, pineal, hipotálamo, hipófise, supra-renal, tireóide, timo, ovários etc...) para termos um corpo em equilíbrio e pensamentos otimistas, leves, para vivermos de igual maneira. Por sermos um laboratório físico-químico precisamos cuidar com consciência e seriedade, condições emocionais através da alimentação em todos os âmbitos que produzam felicidade e bem-estar; a felicidade pode ser cultivada através de mudanças de comportamento e entendimento do que acontece fora de nós.
Depende da compreensão genuína da polaridade, de que tudo tem seu par de opostos, que tudo que é real tem dois lados e que ambos são necessários.
Porque ela (a felicidade) só existe dentro de nós sem dúvida alguma.
Justamente quando deixamos de ser criança e somos coagidos a perder a inocência e a leveza é que começamos a entrar na ciranda dos enganos de comportamentos e escolhas... as crianças brincam, se desligam do que acontece ao seu redor... olham para quem está perto com cara de poucos amigos e não dão importância, deixam ali mesmo... depois os adultos vão usando de chantagem e inserindo-nos nesse contexto desagradável; daqueles que escolhem ser amargos, biliosos por depauperarem a energia do fígado com bebidas, drogas, gorduras insalubres; depauperam a energia dos rins com os medos impostos pelo meio ambiente e inabilidade dos seus familiares e parentes... temperamentos enfim, que tornam impossível qualquer sensação e porque não dizer "sintoma" de felicidade, com a felicidade.
Não adianta dizer que tem a ver com dinheiro, com uma vida sem “problemas”... claro que não!!!  As coisas acontecem exatamente na proporção em que estamos equilibrados físico-quimicamente falando... o nosso olhar para tudo que acontece fora de nós muda quando estamos atentos ao que nos patrocina felicidade, sentimentos de bem estar, aí sim, encontramos saída para tudo com uma fluidez invejável!!!
Os desafios existem para serem encarados... um dos primeiros sintomas de que não estamos bem quimicamente falando é nos acovardarmos diante das situações e também fazermos escolhas impensadas... assumirmos coisas dispensáveis, nos sobre-carregarmos na ilusão de que iremos nos sentir útil ou mesmo de que “a vida é assim mesmo”.
Não é!!! A vida é maravilhosa, ela nos oferece de tudo, nós é que precisamos ser escolhedores conscientes, nós é que precisamos aprender a nos conhecer, saber até onde podemos e queremos ir em relação a qualquer coisa. Seja em estudos, em trabalhos, em cuidados com os outros, em tarefas do dia-a-dia... nós é que precisamos dizer não para o que não nos deixa bem, para as coisas que nos tiram do sério, para os sufocos que os outros escolhem para suas vidas e vamos tomando conhecimento e abraçando como se fossem nossos... ARMADILHA!!! De quem não quer se ver..
Despertar é fundamental... nos interessarmos por nós mesmos, para o que acontece dentro de nós é que é felicidade porque a partir daí podemos amar melhor tudo que colocarmos em nossas vidas.
Nossa doação para o que acontece e está fora de nós será mais justa e verdadeira.
Saberemos quando nos encontrarmos em um espaço carregado de “lamúrias”, de pessoas com seus laboratórios físico-químicos impregnados de medicação ou drogas, nos retirar, quem sabe até nos imunizar. Assistir a tudo como um real expectador é sem dúvida uma boa escolha, difícil mas a melhor de todas.
Eu por exemplo quando estou com qualquer coisa que não seja “bacana” costumo me isolar, preciso esperar que passe, entender de onde vem e porque estou sentindo determinada coisa.
Examino, penso, analiso, decodifico e aí então sigo em frente.
Me distâncio, fico em silêncio sem nenhum problema. E nunca é com alguém, ou melhor, por causa de alguém ou contra alguém, sempre a meu favor.
Depositarmos nossa felicidade nas mãos de alguém é cruel porque ninguém sabe o que nos faz feliz o que nos deixa feliz, assim como nós não sabemos do outro. Ainda que falemos, desenhemos... podemos até escrever, etc, etc, etc... o outro não alcança mesmo.
Considero uma tirania nossa esperarmos que qualquer pessoa em qualquer tempo nos patrocine felicidade... nós só podemos ser felizes se tivermos consciência de nós mesmos, se formos atentos ao que acontece dentro de nós, quais os ecos que estão sendo feitos em nosso interior em relação aos nossos pensamentos, às nossas reflexões, à tudo que estamos deixando penetrar em nosso universo íntimo e pessoal.
Não é a comida, o doce, o sexo, o dinheiro, os conhecidos, o status, o poder, nada... é a gente mesmo.
O nosso movimento interno, o movimento em respeito ao que acontece em nós, conosco profundamente que nos faz feliz, que nos patrocina felicidade.
O acúmulo de coisas e tarefas e corridas atrás do próprio rabo não é o que torna nossa existência agradável, prazerosa, linda, justa... é o olhar o nosso olhar para dentro de nós mesmos o tempo todo. Onde estou, com quem estou, o que essas coisas e pessoas significam para mim verdadeiramente?
Simples... quero ir mesmo a esse lugar, quero realmente estar com essas pessoas, é com isso que quero ocupar meu tempo? Do que estou vivendo, o que estou oferecendo para o meu corpo? Esses modelos de relacionamentos me satisfazem? (isso seja com quem for; marido, namorado, amante, irmãos, etc...). Se abrirmos concessões estamos condenados a ficar refém das situações dês-agradáveis até que a morte nos separe!!! É a treva!!!
A solidão é uma circunstância maravilhosamente necessária para a reflexão.
Sem ficarmos sós nos tornamos seres “ator-doados”. Fica difícil nos identificarmos, nos encontrarmos em meio a tantas coisas para administrar. Fica difícil qualificarmos qualquer coisa quando estamos “assoberbados”. Dentro do nosso corpo precisa que aconteça o equilíbrio dos líquidos e das substâncias que nos sustentam, ou melhor, que proporcionam homeostase, a dinâmica do yin e do yang, a felicidade de todos os neurotransmissores e peptídeos produzidos e secretados em quantidades que patrocinem bem-estar físico, mental e espiritual... Acendendo todas as “lamparinas” no nosso cérebro... e nos tornando felizes... seres humanos possíveis e passíveis de FELICIDADE!!!


Livia Leão






quarta-feira, 5 de maio de 2010

DIÁRIO DE BORDO - Coisinhas que não podem deixar de ser ditas, faladas, gritadas...




O que é essa "criatura" que se propôs a "adotar" uma criança?
Infelizmente sabemos que existe de tudo nesta dimensão e que não podemos sofrer enfartos todas as vêzes em que assistimos atrocidades como estas.
Não precisa ser psicóloga, psiquiatra, ou qualquer profissional que trabalha com sanidade mental para fazer a leitura corporal desta "criatura"... mas não é maluca... sim porque não come merda e nem rasga dinheiro!!!
Fiquei em silêncio alguns dias, ruminando toda essa situação, tendando não me manifestar, mas não deu...
Criança... criança para mim é sagrada ... e é!!!
É demais para minha cabeça!!!
Esperar que qualquer coisa seja feita em relação a essa criança, que ela seja merecedora de uma familia, de alguém equilibrada para lhe dar um lar, que aprenda a lhe amar e consequentemente a lhe oferecer todas as coisas necessárias para minimizar esse trauma, essa passagem terrível de sua existência...
Falar de "carma" com a conotação que se dá vulgarmente não me dá alento e nem justifica, pelo menos enquanto a imagem desagradável dessa criatura estiver sendo veículada em todos os telejornais!!!
Os resgates cármicos existem, claro... mas as ações no presente são escolhas que fazemos instante a instante de maneira consciente... pensar neste episódio como resgate cármico de ambas pode até parecer um conformismo que transcende o nosso presente, o momento exato em que nos deparamos com o cumprimento dele, mas é a treva que traduz uma sociedade desamparada, a denotação de que não se está procurando evoluir, identificar toda covardia, do adulto contra a criança... pensar sobre isso dá taquicardia, imaginar qualquer coisa contra quem não pode se defender para mim é enlouquecidamente impossível.
Adoraria estar manifestando aqui qualquer coisa que fosse diferente disso, mas sinceramente não tenho conseguido voltar para o meu centro quando penso sobre o assunto e quando vem a imagem da criatura... lamento!!!
LAMENTO mais ainda em saber que isso acontece a todo instante dentro das casas, dos barracos, dos berçários, das ruas... seja qual for o "status" ou nome do agressor, sim porque existem pais biológicos que fazem exatamente a mesma coisa.
Pessoas que se candidatam a ser pais e não têm a menor condição psicológica de ser. Que não têm paciência, que não podem cuidar de si mesmas e engravidam e colocam no mundo seres para serem mal tratados, vilipendiados... ODEIO!!!
Não posso negar esse sentimento momentâneo, não posso ficar sem dizer que precisamos fazer tudo... isso mesmo, não pode ser qualquer coisa, precisamos fazer tudo que pudermos para modificar esse quadro social deprimente, vergonhoso contra as crianças.
Não é a pobreza simplesmente, é a falta de consciência, a falta de estrutura física, energética, emocional, mental, espiritual.
Denunciar apenas não, assumir mesmo, gritar, arrancar das mãos dos safados que pensam que criança é propriedade e que pessoas que têm filhos podem fazer com eles o que quiserem.
Esse bunda-lê-lê não tem cabimento!!!
Estou péssima, muito indignada ... vai passar, claro.
Sei que existem lindas pessoas conscienciosas adotando crianças necessitadas de tudo, sei que existem pais lindos e cuidadosos e isso me dá alento.
Mas não podia deixar de desabafar.
UFA!!!

Livia Leão



ORAR, ORAÇÃO, ORAÇÕES!!! ...

Todas as formas de oração são perfeitos apelos em nos alinharmos com o que queremos, com o que se sente, com o que buscamos dentro de nós...