Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO DE BORDO - Nem pensem que sou eu!!!






Preciso matar 
a preguiça existencial e usar a minha inteligência simples confiando no meu cérebro para des-considerar a embriaguez do planeta que deixa todos de porre e em posição des-vantajosa; 
O narcotismo que se apoderou do cérebro de todas as faixas etárias transformando as ruas em ambulatórios psiquiátricos.

Salve as angustias do humano, nos salve das inquietações do que se recusam a usar seus cérebros para pensar e alcançar lugares de possibilidades aconchegantes...
Fechar os olhos e as portas, trancar todas as gavetas, esvaziar qualquer espaço de informações carregadas de ilusões incompatíveis.
Não adianta querer ser tranquila...
Quem escreve não é um ser tranquilo...
Quem pensa não consegue encontrar tranquilidade no que acontece em seu interior e muito menos nas paisagens pelas quais passeia.
Porque conseguimos ouvir todas as vozes e ruídos produzidos pelos cérebros transeúntes. O movimento das pessoas, as pisadas, pegadas...
o inconformismo com a realidade fabricada no piloto automático.
O mundo que parece desforme, e des-conforme... a nossa intolerância e incompatibilidade... a falta de escolha e a falta de fé...
rezas, muitas rezas...
e nenhuma fé se tem!!!
Há dias em que se acredita que pode mudar interiormente os padrões massacrantes energéticos e alguns outros se tem um des-ânimo quando se conclui que é preciso um trabalho incansável, supra-humano para dar conta das transformações e transmutações necessárias para aquecermos nossos corações e ordenarmos nossos cérebros em direções intimas e pessoais. 
Em necessidades viscerais de vencer todos os monstros e sombras interiores que permeiam nosso universo interior e paralelo.
Não alimentar nossos mais imperfeitos inimigos particulares, trucidar nosso sabotador interno é diário!!!
Eles parecem imortais... e não são...
São frutos das nossas substâncias improduzidas e não produtivas daquilo que com uma péssima estima pensamos querer.
É preciso saber o que está acontecendo dentro de nós, quem está reinando em nosso interior e dar vida e colocar no mundo para que saia de nós e morra logo alí atropelado pelo primeiro pé inexorável... nada de vida longa e de ocupação no quentinho do nosso espaço interno, no nosso sagrado cérebro de infinitas possibilidades...
Nem pensem que sou eu o que sou!!!
Faço acordos com o que acontece ao meu redor...
e des-acordo para sobreviver a mim mesma.
Escrevo para aliviar a minha dor
e morro sempre porque preciso viver.
Fiquem bem,
cuidem-se bem!!!

Livia Leão


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PARA VIVER UM GRANDE AMOR...

Estou aqui pra dizer a você que aqui estou... Estou aqui pra dar continuidade ao nosso crescimento juntos... que fazem intervalos pequenos diante da eternidade... É quando sorrio de verdade é quando me acomodo com segurança e me aconchego sem medo. Conheço um pouco dos seus limites, a profundidade das suas lindas qualidades, generosidade, parceria e delicadeza que admiro e preciso em um relacionamento. Assim como antes, em tempos que conseguimos separar, Onde se pode conjugar passado, presente e futuro Onde se pode prever que há o que "rolar" ... Sabemos de amizades, sabemos de conforto e de confiança. A vontade, ficamos sem nenhum desconforto que maculam os encontros e a nossa vontade é superior aos riscos que corremos sem nenhum temor (???) ... Tudo que poderia causar desconforto e separação será retirado e excluído elegantemente porque merecemos...
E tão grande amor que pode ser do outro
mas que é meu...
Não apenas meu, mas inventado por mim
nascido de mim,
em mim...
E q…

Sobre todas as coisas e nenhuma delas em especial!!! ...

Falando assim como quem tem uma certeza absoluta o mundo é muito rico em tudo que a gente pode imaginar. Podemos dele desfrutar como quisermos.  Se temos um mínimo de sabedoria, se conseguimos saber o mínimo de nós mesmos nos sairemos bem diante da vida que vamos escolhendo momento a momento. Tenho medos como qualquer criatura humana que habita o planeta, mas ao longo dos meus dias traduzidos em 59anos fui ganhando um certo jeito de pensa-la; de driblar as minhas fragilidades, de encontrar forças em mim mesma, de não apenas saber quem eu sou agora, mas também de quem quero ir me tornando enquanto passeio por aqui. Lido simplesmente muito mal com a morte, não a minha, mas a das pessoas... e isso se estende não apenas às que penso conhecer, mas a todas as pessoas que sei que morreram, que os seus corpos estão sendo enterrados ou cremados, que enquanto isso acontece no plano físico/material, outras muitas pessoas especulam, inferem,  sobre a vida após o fim ... o encerramento da vida co…

DO QUE PRECISAMOS???

Precisamos de música, ...  precisamos de água, de alegria, de combustíveis e recursos disponíveis, fáceis e práticos. De respeitar as necessidades básicas de viver, de caminhar em ressonância com o que queremos e acreditamos. De nos alinharmos com o que nos acrescenta... Deixar que as pessoas cuidem de si mesmas,  de solidarizarmo-nos com aquilo que podemos de alguma maneira colaborar. E em nossa vida pessoal e intima, ter à mão apenas o que nos favorece e beneficia... os excessos cansam, frustram, destroem qualquer possibilidade de alegria e felicidade. Porque nos exigem tempo demais, trabalho demais, pre-ocupações excessivas. Não nos preenchem, não nos deixam em paz... Tudo que nos desconforta é desnecessário. Precisamos de silêncio e cuidados... de atenção, delicadezas, gentilezas e carinhos... patrocinarmo-nos sentimentos e sensações que nos adormeçam com tranquilidade ainda que não saibamos se amanhã será mesmo outro dia... e será!!! Será um novo dia... traduzido em zilhões de o…