Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO DE BORDO - Pensando alguma coisa dos dias que passaram...






Falo tanto ou melhor converso tanto com pessoas que atendo, me enriqueço tanto das suas histórias que é maravilhoso e chego mesmo a pensar que tenho a melhor de todas as profissões.
A sensação é boa demais de conhecer o que pensam e como pensam as pessoas diante das suas experiências, das suas dúvidas, dos seus medos e coragens sem limites. E concluo que nós humanos nos atemos demais as nossas deficiências, ao invés de valorizarmos e prestarmos  atenção nas nossas mais profundas conquistas durante o nosso caminho.
Somos injustos e crueis, porque ficamos presos aos nossos pseudos fracassos ou melhor nas coisas que deixamos de conquistar ou que pensamos que deixamos de conquistar.
Nas coisas que desejamos mas que no fundo não fizemos tanta questão assim, porque desistimos com facilidade, enfim... infinitas coisas que foram... são passado... estão esquecidas, arquivadas ... que poderiamos com certeza deixá-los em cantos que não acessamos mesmo, por não ter nenhuma importância momentânea... 
Carregamos fardos, pesos pesados...inutilmente!!!
Pensar nas nossas desistências é deixar de ver o nosso presente... o melhor de todos os tempos... o aqui e o agora!!!




Tomei muita consciência disso outro dia quando fui a cidade. 
Voltando entrei no trem do metrô com o mesmo comportamente/atitude de alguns meses atrás, ou seja, usando o condicionamento e a confiança em que as coisas não mudam... lendo meu livro ... de repente acordei... voltei para o presente felizmente e levei um pancadão!!! O trem estava na superficie... caramba!!! O que aconteceu? Gente foi uma sensação indescritível, porque foi um misto de terror, de insegurança, de consciência da negligência terrível com o presente, com estar onde estou... para não ser surpreendida com acontecimentos ditos "inesperados"... o inesperado é exatamente isso... essa nossa falta de cuidado e atenção enquanto fazemos qualquer coisa. 
O meu cérebro foi lindo como sempre!!!
Ai de mim que não fosse ele me convidar a tirar os olhos do livro e prestar atenção no que estava acontecendo!!! Iria conhecer a PAVUNA sem ter me programado para isso.
Foi uma experiência?
Sim, uma simples experiência que poderia ser e ter consequências muito sérias.
Ainda estou processando esse comportamento, essa falta de atenção, esse des-ligamento do que acontece fora de mim enquanto me desloco, enquanto ando pelo mundo.
"DANGER" total!!!

 
Por todas as razões... claro que não sou esse ser humano impecável ainda, como quero um dia ser... mas senti-me um ser perigoso e nocivo a mim mesma.
Adoro fazer tudo com muita consciência, atenta, acordada, desperta... presente.
Faço esse exercício diáriamente a todo momento.
Depois desse acontecimento fiquei ainda mais criteriosa, esperta!!!
Sei que podemos funcionar muito melhor assim, que podemos ter uma existência muito melhor quando cuidamos da nossa atenção em relação a nós e a tudo que nos cerca.
Nem sempre é possível porque estamos cercados de pessoas cada uma com seus interesses e necessidades, mas nunca podemos desistir de criar um ambiente pacifico, confortável, cheio de alegria ao nosso redor!
Mas tenho procurado sem cansar colocar em prática esse jeito gostoso de viver.
A bendita leveza, a maravilhosa existência recheada de acontecimentos e escolhas feitas com consciência e grande delicadeza.
ACREDITO NISSO!!!
 

Por isso procuro ter com minhas pacientes e com todas as pessoas enfim, relacionamentos mais profundos e integrados, para trocarmos nossas preciosas experiências, bem como fomentarmos um universo bom, simples, alegre e equilibrado...
Fazer bons acordos em usar nosso cérebro para nos localizarmos sempre da melhor maneira.
É sempre bom nos comunicarmos e nos tratarmos com muito carinho e atenção.
Nosso corpo,
Nossa mente,
Nosso espírito...
AGRADECEM!!!

Livia Leão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PARA VIVER UM GRANDE AMOR...

Estou aqui pra dizer a você que aqui estou... Estou aqui pra dar continuidade ao nosso crescimento juntos... que fazem intervalos pequenos diante da eternidade... É quando sorrio de verdade é quando me acomodo com segurança e me aconchego sem medo. Conheço um pouco dos seus limites, a profundidade das suas lindas qualidades, generosidade, parceria e delicadeza que admiro e preciso em um relacionamento. Assim como antes, em tempos que conseguimos separar, Onde se pode conjugar passado, presente e futuro Onde se pode prever que há o que "rolar" ... Sabemos de amizades, sabemos de conforto e de confiança. A vontade, ficamos sem nenhum desconforto que maculam os encontros e a nossa vontade é superior aos riscos que corremos sem nenhum temor (???) ... Tudo que poderia causar desconforto e separação será retirado e excluído elegantemente porque merecemos...
E tão grande amor que pode ser do outro
mas que é meu...
Não apenas meu, mas inventado por mim
nascido de mim,
em mim...
E q…

PARA O MEU AMOR QUE É QUERIDO ...

E eis que a vida nos devolve coisas, memórias, pessoas ...  E eis que o velho se tornou novo e nos confundiu!!! Mas eis também que nós ficamos assim não intimidados, mas cheios de dedos, cautelas, cuidados ... Bom comportamento e falas sinceras que nos traduzem e nos colocam em posições que dão alegria, que nos concede intimidade que velada, pode ser que seja declarada. O amor , ... o amor e o amor... que se repete, que volta, que vai e vem, ...  retornando em novidades iguais em amadurecimentos!!! Amadurecimentos que nos envaidece, que causa imensa curiosidade, que dá vontade de abraçar o corpo, a estória e o caminho percorrido sem programar, sem planejar... Não foi o tempo quem voltou, não fomos nós que retornamos, foram duas pessoas diferentes em iguais movimentos e buscas inquietantes de se espelhar... Liberdade Curiosidade Necessidade de se encontrar... Somos almas iguais e não gêmeas!!! Somos macho e somos fêmea!!! Em delicadezas emocionais Em possibilidades cativantes em const…

Sobre todas as coisas e nenhuma delas em especial!!! ...

Falando assim como quem tem uma certeza absoluta o mundo é muito rico em tudo que a gente pode imaginar. Podemos dele desfrutar como quisermos.  Se temos um mínimo de sabedoria, se conseguimos saber o mínimo de nós mesmos nos sairemos bem diante da vida que vamos escolhendo momento a momento. Tenho medos como qualquer criatura humana que habita o planeta, mas ao longo dos meus dias traduzidos em 59anos fui ganhando um certo jeito de pensa-la; de driblar as minhas fragilidades, de encontrar forças em mim mesma, de não apenas saber quem eu sou agora, mas também de quem quero ir me tornando enquanto passeio por aqui. Lido simplesmente muito mal com a morte, não a minha, mas a das pessoas... e isso se estende não apenas às que penso conhecer, mas a todas as pessoas que sei que morreram, que os seus corpos estão sendo enterrados ou cremados, que enquanto isso acontece no plano físico/material, outras muitas pessoas especulam, inferem,  sobre a vida após o fim ... o encerramento da vida co…