Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO DE BORDO - Para nos reconhecermos!!!


De maneira corajosa ouso falar de um assunto que acordei com ele elojado em meu cérebro. 
Uma energia de pensamento que foi me levando a reflexões nascidas de abordagens feitas em programas e também em editais informativos sobre um hormônio que nos faz sentir empatia, ganhar confiança, ser generosos, etc, etc, etc...





O cientista Paulo Zac realizou uma pesquisa que mostrou que apesar dos seres humanos serem inerentemente altruístas, eles também são generosos quando sentem empatia. E a ocitocina (oxitocina) é a substância ou hormônio responsável por esse sentimento, sensação...
A ocitocina é produzida pelo hipotálamo e harmazenado na hipófise e tem entre outras funções a de promover as contrações musculares uterinas durante o parto e a ejeção do leite durante a amamentação. Uma permissão de conceber e gerar uma vida em condição de AMOR INCONDICIONAL...
Ele ajuda as pessoas a ficarem juntas por muito tempo. Também é o hormônio ligado ao que as pessoas sentem ao por exemplo, abraçar seu parceiro de longa data.


A ativação do córtex insular e angular e do núcleo paraventricular foi observada como precursora da produção de ocitocina no hipotálamo e sua consequente liberação pela hipófise posterior.
Vários especialistas o denominam hormônio do AMOR. Assim como a prolactina, a concentração de ocitocina aumenta em 40% depois dos orgasmos.
Para mim ficou muito clara a função e a importância desse hormônio no comportamento das pessoas em geral ou melhor, em nosso comportamento diário, nas nossas atitudes e escolhas de viver em sociedade... e nos relacionamentos, traduzidos em saúde, óbvio!!!
Pode estar aí a cura de muitas "doenças", de patologias somáticas e nascidas de uma vida afetiva cheia de equívocos, de não sabermos onde colocar os nossos sentimentos e como compartilhá-los.
Não sabemos dar e receber amor. Dizemos que queremos vivê-los, mas sabemos que não sabemos o que fazer com ele.
Morremos de medo de morrer e de amar, por medo de perder, de deixar de possuir... de ficarmos sós em nossos sentimentos e com eles.
Quando somos acolhidos ficamos cheios de dedos, quando somos simplesmente queridos e amados nos reservamos a des-confiança (vejam bem?)... 
É sabido que o câncer é a doença da falta de amor, aliás o único órgão que ela não acomete é o coração... (mais uma vez, reflexão!)... o coração é o órgão do amor, também do ódio. Que são simplesmente dois lados de uma coisa só...
Se a acitocina é considerada ou denominada como o hormônio do AMOR não estaria nela a cura ou uma recuperação em ânima (da alma!)?
Precisamos viver nosso laboratório com mais conhecimento de nós mesmo e honestidade em relação aos nossos prazeres primordiais.
A ocitocina assim como a prolactina aumenta em 40% depois do orgasmo... gente!!! É muito claro, tomar ciência disso me deu uma alegria enorme, me fez ficar feliz e otimista em relação a tantas pessoas que vivem tomadas de câncer... ao mesmo tempo consciência do quanto estamos precisando amar, fazer sexo, entrar em contato com as nossas necessidades básicas de prazer, de sentir dor, mas também de sentir prazer, muito prazer sem a maldita culpa!!! Nos livrarmos da hipocrisia e nos sabermos merecedores de toda alegria, felicidade.... e P R A Z E R !!!
Câncer de fígado (raiva), de pumão (tristeza), de rim (medo)...
Equilibrar esses sentimentos/sensações é estar com o nosso laboratório físico/químico em dia. Então se essa substância pode ser fabricada sintéticamente, se podemos buscá-la como alternativa enquanto nos resta vontade de estar viva e bem viva... precisamos urgente de farta distribuição de OCITOCINA ou OXITOCINA!!!
Na verdade o câncer é a hipocrisia. A culpa inexorável que carregamos atávicamente, por medo (rins) de sermos genuinamente e merecidamente FELIZES!!!
Simples assim, 
Fiquem bem e
Cuidem-se bem!!!

Livia Leão




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

PARA VIVER UM GRANDE AMOR...

Estou aqui pra dizer a você que aqui estou... Estou aqui pra dar continuidade ao nosso crescimento juntos... que fazem intervalos pequenos diante da eternidade... É quando sorrio de verdade é quando me acomodo com segurança e me aconchego sem medo. Conheço um pouco dos seus limites, a profundidade das suas lindas qualidades, generosidade, parceria e delicadeza que admiro e preciso em um relacionamento. Assim como antes, em tempos que conseguimos separar, Onde se pode conjugar passado, presente e futuro Onde se pode prever que há o que "rolar" ... Sabemos de amizades, sabemos de conforto e de confiança. A vontade, ficamos sem nenhum desconforto que maculam os encontros e a nossa vontade é superior aos riscos que corremos sem nenhum temor (???) ... Tudo que poderia causar desconforto e separação será retirado e excluído elegantemente porque merecemos...
E tão grande amor que pode ser do outro
mas que é meu...
Não apenas meu, mas inventado por mim
nascido de mim,
em mim...
E q…

PARA O MEU AMOR QUE É QUERIDO ...

E eis que a vida nos devolve coisas, memórias, pessoas ...  E eis que o velho se tornou novo e nos confundiu!!! Mas eis também que nós ficamos assim não intimidados, mas cheios de dedos, cautelas, cuidados ... Bom comportamento e falas sinceras que nos traduzem e nos colocam em posições que dão alegria, que nos concede intimidade que velada, pode ser que seja declarada. O amor , ... o amor e o amor... que se repete, que volta, que vai e vem, ...  retornando em novidades iguais em amadurecimentos!!! Amadurecimentos que nos envaidece, que causa imensa curiosidade, que dá vontade de abraçar o corpo, a estória e o caminho percorrido sem programar, sem planejar... Não foi o tempo quem voltou, não fomos nós que retornamos, foram duas pessoas diferentes em iguais movimentos e buscas inquietantes de se espelhar... Liberdade Curiosidade Necessidade de se encontrar... Somos almas iguais e não gêmeas!!! Somos macho e somos fêmea!!! Em delicadezas emocionais Em possibilidades cativantes em const…

Sobre todas as coisas e nenhuma delas em especial!!! ...

Falando assim como quem tem uma certeza absoluta o mundo é muito rico em tudo que a gente pode imaginar. Podemos dele desfrutar como quisermos.  Se temos um mínimo de sabedoria, se conseguimos saber o mínimo de nós mesmos nos sairemos bem diante da vida que vamos escolhendo momento a momento. Tenho medos como qualquer criatura humana que habita o planeta, mas ao longo dos meus dias traduzidos em 59anos fui ganhando um certo jeito de pensa-la; de driblar as minhas fragilidades, de encontrar forças em mim mesma, de não apenas saber quem eu sou agora, mas também de quem quero ir me tornando enquanto passeio por aqui. Lido simplesmente muito mal com a morte, não a minha, mas a das pessoas... e isso se estende não apenas às que penso conhecer, mas a todas as pessoas que sei que morreram, que os seus corpos estão sendo enterrados ou cremados, que enquanto isso acontece no plano físico/material, outras muitas pessoas especulam, inferem,  sobre a vida após o fim ... o encerramento da vida co…