Pular para o conteúdo principal

UM, DOIS, TRÊS, ... TESTANDO!!!

Quanto da toca do coelho queremos descer? Se queremos transpor portais de mudança e transformação... se queremos sair de onde estamos para um lugar desconhecido, re-construir a nossa vida com prazer e novidade... Do novo que renova temos medo e o medo é alimentado das melhores comidinhas viciantes que justificam todas as acomodações. Pensamos em segurança, em dinheiro, em garantias utópicas, mas que fixam a gente como se fossemos plantas enraizadas, impedidas de caminhar, correr nos alegrar com outras paisagens... se não fossem as nuvens se repetiria em décadas...
Sou abismal até a página dois, mas não perco o espetáculo que acontece em meu entorno, dentro de mim em revesamentos construtivos de mim mesma.
As dores que não nos servem de movimento invalidam-se em experiências e se transformam em ganhos secundários que justificam uma infelicidade estonteante...
Permitimo-nos ser escravos que ficam, ficam e ficam acorrentados de livre e espontânea vontade. Fazendo discursos de compromissos e responsabilidades des-cumpridas e atávicas.
Confundimos descartar com mudar... com prazo de validade!!! ... E aí perdemos o bonde da vida!!! Da VIDA mesmo, não apenas da pequena passagem, do trânsito em que estamos...
Experimentarmo-nos em viver as mesmas coisas com outras pessoas, em reações diferentes, em práticas que fluem, em levezas que dão medo e paralisam.
Ouvimos discursos iguais de pessoas diferentes porque a escola tem a mesma matéria decorada, ... o medo de um é implantado na vida do outro e se perpetua.
E assim, quando a morte se apresenta a gente assiste como um filme as nossas chances de mudar passarem em arrependimentos levados ao túmulo ou ao forno...
Somos dialéticos, ambivalentes, multifacetados, bipolares, infelizes, acomodados, medrados, impotentes e broxas em se tratando de viver... 
continhas nem sempre pagas, dinheiro conjugado, carrinho pra se locomover, bebidas para anestesiar, drogas pra viajar, ... bloqueios e sabotagens!!!
Alegamos pensar no outro, ... mentira!!! Pensamos mesmo é no trabalho que dá sair do lugar. Onde estamos há um território conquistado pelos impostos pagos em dinheiro e carga cármica em escolhas que se repetem...
Permissivos sofrimentos certificados, legalizados e legitimados pela nossa preguiça... 
E de sacanagem ainda usamos os outros pra ouvir as nossas "reclamações", em papeis canastrões que só os hormônios nos fazem cair ou aceitar!!!
E essa estatística é cruel...  e as traições? Essas caminham pelas ruas em disputas confusas entre o legal, a lei, as normas, as regras, ... e ausência de ética... (???)
As saias e as calças penduradas no armário. A cama que aloja os corpos pra dormir, a mesa vazia, a geladeira esfriando tudo que há... casas, aptos, ... compõem o que os humanos fazem com as suas vidas, em suas vidas... E possibilidades de LARES são abortados pela falta de cuidado e honestidade!!! ...
Pra você Marcio, vai pensando aí!!! ... 

Publique-se!!!

Livia Leão




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BETH RUSSO, ... HO'OPONOPONO

E eu que não por acaso acredito que o acaso é algo que os distraídos inventaram para se esconder em desejos e quereres manifestados.
Através do meu irmão que não está mais em seu corpo físico conheci o Ho'oponopono mas nunca havia parado para me presentear com ele...
Bem ele foi embora e aí comecei a visitar pessoas praticantes e que grata surpresa tive, encontrei muitas pessoas lindas que recitam que se conectam que usam essa ferramenta poderosa de nós mesmos.
Um alcance maravilhoso de alguém que acreditou em sua pseudo loucura e trouxe pra nós uma ferramenta muito útil de libertação. Uma força manifesta um poder que atravessa todos os tempos e limpa e limpa mesmo nossos ranços em tempos que coexistem. 
É muito bom e poderoso!!! ... Porque ainda que a gente não creia ele faz a faxina nos cantos mais escondidinhos do nosso poderoso cérebro que abriga memória lembrança de todos os tempos dos tempos em que estivemos aqui... que é sempre!!!
Esse espaço que não é físico fica nos acompanhan…

PARA O MEU AMOR QUE É QUERIDO ...

E eis que a vida nos devolve coisas, memórias, pessoas ...  E eis que o velho se tornou novo e nos confundiu!!! Mas eis também que nós ficamos assim não intimidados, mas cheios de dedos, cautelas, cuidados ... Bom comportamento e falas sinceras que nos traduzem e nos colocam em posições que dão alegria, que nos concede intimidade que velada, pode ser que seja declarada. O amor , ... o amor e o amor... que se repete, que volta, que vai e vem, ...  retornando em novidades iguais em amadurecimentos!!! Amadurecimentos que nos envaidece, que causa imensa curiosidade, que dá vontade de abraçar o corpo, a estória e o caminho percorrido sem programar, sem planejar... Não foi o tempo quem voltou, não fomos nós que retornamos, foram duas pessoas diferentes em iguais movimentos e buscas inquietantes de se espelhar... Liberdade Curiosidade Necessidade de se encontrar... Somos almas iguais e não gêmeas!!! Somos macho e somos fêmea!!! Em delicadezas emocionais Em possibilidades cativantes em const…

RÉPLICAS!!! ...

Replicamos o tempo todo. Quando alguém nasce ficamos querendo descobrir com quem se parece... "é com o pai ou com a mãe?" ... Olhos do pai, mãos da mãe, cabelo de um unhas do outro... uma angustia!!!
Temperamento de um, beleza do outro!!! ... E assim vamos nos despedindo da possibilidade de sermos nós mesmos, de nos livrarmos das características que nem sempre ou quase nunca nos envaidece ou nos causa bom sentimento.
Essa coisa que muitos de nós faz questão que é orgulhosamente propagado, divulgado, perpetuado fica ao longo do tempo difícil de nos livrarmos ou de nos libertarmos. Porque precisamos de nossa identidade pessoal, individual. Ok a organização social precisa que se tenha um pai e uma mãe, que sejamos ligados a uma "familia" biológica enfim, mas sofremos a vida inteira essa tortura pequena e quase impercepitível por todos que acham e consideram que é bacana eternizar-se através da pro-criação!!!
O efeito disso é muito inconsciente e ao mesmo tempo consistent…